Header Ads

Assaltos impedem passeios nas praias de Salvador

Assaltos impedem passeios de turistas nas praias de SalvadorPor José Queiroz, 
Guia de turismo especializado em Turismo Receptivo

A orla marítima de Salvador se tornou perigosa para baianos e turistas nos últimos anos, devido ao desemprego e deficiências na segurança da cidade, problema comum em todo o Brasil. Porém, para os visitantes com perfil diferente da população da cidade, desinformados sobre os lugares mais vulneráveis, desprotegidos pela ausência de policiais ou da Guarda Municipal, e interessados em desfrutar de praias tropicais, o risco é ainda maior. O problema é grave e precisa de atenção dos gestores responsáveis!

Praia é um negócio fabuloso para várias cidades e países, desejadas e rentáveis, tanto que foi criado o Programa Bandeira Azul, em 1987, na Europa, que logo se espalhou pelo mundo, existindo mais de mil praias marítimas e fluviais, ou marinas, credenciadas e apoiadas para manterem-se adequadas à visitação. Mais de 300 estão em Portugal, e apenas quatro no Brasil: Praia do Tombo, no Guarujá, e Prainha, no Rio de Janeiro, além das marinas Costabella, em Angra dos Reis, e Marinas Nacionais, Guarujá. Um dos requisitos para ser credenciada é justamente o da segurança!

A praia de Amaralina é uma das mais famosas de Salvador, cantada e descrita por Dorival Caymmi, Jorge Amado, Clara Nunes, Gilberto Gil, etc., mas é também uma das mais perigosas da cidade, sendo constantes e violentos os assaltos, como este https://www.youtube.com/watch?v=nNDmnKtqQC8. Os marginais infernizam a vida de quem freqüenta o lugar, baianos e turistas, já que existem oito hotéis por ali, além das pessoas que se hospedam no Rio Vermelho e Pituba e procuram aquela praia.

Ninguém pode se aventurar a caminhar pela praia entre Stela Mares e Itapuan - esta uma das mais famosas do Brasil, que atrai brasileiros e estrangeiros de diferentes lugares - pois, seguramente, será assaltado. Piatã e Jaguaribe são conhecidas pela ocorrência dos assaltos na praia, e o trecho entre Ondina e Barra também. O Porto da Barra precisa de policiamento ostensivo, e delinqüentes impedem qualquer cidadão desfrutar da vista mar do Comércio! Tudo isto ainda é agravado pelo assédio, agressões verbais ou extorsões de alguns vendedores ambulantes e exploradores do péssimo serviço de praia!

Proprietários e administradores de hotéis e agências de turismo da cidade precisam de apoio da prefeitura, dos gestores do turismo da cidade e do aparato de segurança pública, para manter seus negócios que geram milhares de empregos diretos e indiretos. Eles precisam, pelo menos, da contra partida dos impostos que pagam e sustentam outras necessidades da cidade, além de salários de gestores públicos e campanhas políticas.



Há anos que a indústria turística de Salvador vem definhando por falta de ações de gestores despreparados ou interessados em outros setores da economia, sendo que o Turismo é uma vocação natural de Salvador. Milhares de pessoas foram desempregadas nos últimos oito anos, por causa da retirada das barracas de praia e suspensão da reforma do Centro Histórico, e hoje engrossam as estatísticas de inadimplência e violência.

A prefeitura alega que segurança, por exemplo, é assunto do estado, mas os impostos do Turismo também sustentam a Guarda Municipal, e para quê? Para exibir em solenidades e publicidade? O Turismo esperou pela Copa, agora terá que esperar pela eleição? Nesse meio tempo os salários dos gestores responsáveis saem pontualmente e sempre altíssimos, enquanto o pessoal do Turismo vê seus anos de trabalho, sua dedicação, seus investimentos, seu patrimônio e seu sustento, ‘morrerem na praia’!

Um comentário:

  1. Lamentável ! Chegamos ao ponto de termos uma cidade inteirinha sem a menor segurança entregue aos bandidos ! Dá medo ir às ruas , descontrair nas praias . Temos medo da nossa própria sombra ! Acabei de descrever Salvador , , uma cidade onde a pessoa já é assaltada na porta da própria casa , na saída para ou na volta do trabalho;;;...!!!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.