Header Ads

Governo da Bahia precisa profissionalizar gestão do Turismo

Por José Queiroz*

Há muito tempo o turismo deixou de ser ‘coisa de ricos’, supérflua para a maioria dos cidadãos, ou sazonal. A indústria turística ocupa milhões de pessoas no mundo, sustenta cidades inteiras, e na Bahia não é diferente, pois Morro de São Paulo e Mangue Seco, por exemplo, dependem disto. Pelo menos 10% da população de Salvador é beneficiada através de emprego direto ou dos mais de 50 setores envolvidos com a atividade que mais cresce no mundo. Mas, para manter isto, é preciso profissionalismo e planejamento.

Governo da Bahia precisa profissionalizar gestão do TurismoO profissionalismo que o Turismo precisa envolve amplos conhecimentos culturais e técnicos, por isto não pode ser feito por qualquer pessoa, como defendem articuladores de políticas nacionais para o setor, principalmente na Bahia, onde operadores que vendem viagens são consultados para a condução do Turismo Receptivo. E eles não são as pessoas indicadas! Outros operadores brasileiros reconhecem a defasagem, a ingerência política, a manipulação tendenciosa, e as necessidades e prioridades do turismo interno, vitais para a sobrevivência da indústria turística nacional, que empregaria milhões de pessoas, e que tem uma grande responsabilidade com a economia e a imagem do país.

A Bahia estava sendo preparada para ser um dos maiores centros turísticos da América Latina, atrativos e fama não falta, mas os projetos foram interrompidos nos últimos anos. A mão de obra qualificada foi substituída por outra que não atende aos interesses de turistas, empreendedores e sociedade. Foram feitos investimentos equivocados ou insuficientes, como em festas e eventos. Hotéis de turismo deram lugar a resorts e business hotéis, equipamentos e acessos não foram construídos ou reformados, como o Centro de Convenções da capital baiana, e atrativos internacionais como Morro de São Paulo, Mangue Seco, Chapada Diamantina, Itacaré e outros, carecem de investimentos.

A situação de Salvador é emblemática para o país! A falta de profissionalismo institucional e planejamento, o que inclui a falta de apoio nacional aos Turismólogos - as pessoas que estudaram o Turismo efetivamente, se prepararam para pensar, planejar, articular e executar serviços – levou o turismo de Salvador à mudança de perfil e desvio do fluxo interessado, que é o turista com interesse cultural e em busca de lazer, pois a degradação física e social do Pelourinho e das praias não convidam à visitação e permanência. Este público é mais numeroso e fica mais tempo, freqüenta todos os ambientes do circuito turístico e da cidade, mais exige profissionalismo e comodidade.

Há muitas instituições e pouco conhecimento! Gestores, empreendedores novatos e gerentes despreparados ignoram os atrativos que interessam aos turistas que vem a Salvador, primeira capital do Brasil, terra de Jorge Amado, banhada por uma baía famosíssima, mas com seu potencial de turismo náutico desperdiçado, entre outros atrativos. A má gestão e má utilização dos recursos disponíveis estão sacrificando outros atrativos como o Recôncavo Baiano, e instituições culturais, religiosas e artísticas. E a Bahia pode – e deve! – fazer turismo à altura de sua história e memória!

*José Queiroz é guia de turismo especializado em Turismo Receptivo
Conheça o site Turismo Receptivo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.