Header Ads

Iemanjá: a “mulher com rabo de peixe”

Iemanjá: a “mulher com rabo de peixe”Por Nelson Cadena
Blog Memórias da Bahia

Um incidente entre os pescadores e o pároco da Igreja de Sant’Anna, ocorrido em 1930, teria provocado a definitiva distensão entre os primitivos protagonistas e organizadores da festa e os interesses da igreja. Desentendimentos que vinham desde 1906, quando a autoridade eclesiástica proibiu a realização da Romaria dos Jangadeiros, conforme noticiou a Gazeta do Povo em 12 de fevereiro do ano referido. Não se sabe o motivo. E se acentuou em 1919, quando o organizador da colônia, o comandante Pina, determinou que não mais se deveria pagar o dízimo à igreja pelo uso do terreno da Casa do Peso, que ficava ao lado da capela, onde os pescadores guardavam seus aviamentos e comercializavam o produto.

O impasse agravou-se com a notícia de que os pescadores estariam realizando oferendas à Mãe-d’água. E de fato isso já ocorria desde 1923 ou 1924, há divergências quanto à data. Então, o vigário, em inconveniente sermão, disse com todas as letras que era muita ignorância oferecer presente a uma mulher com rabo de peixe. Os pescadores sentiram-se ofendidos, deixaram de solicitar a tradicional missa celebrada no dia da romaria, que nem sempre ocorria em 2 de fevereiro, e assumiram explicitamente o culto à Iemanjá.

Não foi um processo imediato. Por pelo menos quatro décadas o presente à Rainha das Águas permaneceu vinculado aos festejos oficiais de Nossa Senhora de Sant’Anna, era um dos eventos do calendário festivo que se estendia por mais de uma semana. De início, o presente ocorria, sem a presença ostensiva do público que olhava de longe e não descia para a praia. Em finais da década de 40 o povo já era protagonista e esse ritual do presente foi ganhando popularidade, enquanto a Festa de Sant’Anna perdia prestígio e apenas mantinha o seu glamour com o desfile dos carros alegóricos e a eleição da Rainha da festa.

Em inícios da década de 80 o pároco da igreja, com o aval do Arcebispo, transferiu a Festa de Sant’Anna para celebração em 26 de julho. Então a Festa de Iemanjá rompeu em definitivo o seu cordão umbilical com a igreja católica e “aparentemente” com qualquer sincretismo e passou a ser festa exclusiva dos pescadores e do povo de Santo da Bahia, realizada não mais durante uma ou duas semanas, como nas suas origens, mas num dia só: 2 de fevereiro. Disse “aparentemente” por que 2 de fevereiro nada mais é do que a data mais importante do calendário católico mariano em todo o mundo ocidental. Nesse dia comemora-se a Purificação de Nossa Senhora.

A foto que ilustra este post é do acervo da Tribuna da Bahia. Mostra um artista plástico finalizando o presente especial.

Leia também:

Yemanjá não é uma sereia

A substituição da escultura de Iemanjá e a fé inabalável dos baianos

Um pouco de historia sobre a Igrejinha de Santana

Desenho de Floriano Teixeira rejeitado em 97 porque Iemanjá não era loura ilustra camisa da festa neste ano

A história da Rainha do Mar

O Rio Vermelho - Casa do peso - década de 50

Artigo - Iemanjá, o desenho da discórdia

A festa do dia 2 de fevereiro já foi assim

Presente de Yemanjá: Uma festa dos pescadores do Rio Vermelho

Ecos do passado

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.