Header Ads

Trânsito será modificado no Rio Vermelho para obra de requalificação do bairro.

Trânsito será modificado no Rio Vermelho para  obra de requalificação do bairro.

A primeira etapa das obras de requalificação da orla do bairro do Rio Vermelho, que será detalhada em coletiva pelo prefeito ACM Neto no próximo dia 15, vai provocar mudanças no trânsito local, que é atualmente um dos principais corredores de tráfego da cidade. As intervenções irão começar na noite do próprio dia 15 e serão realizadas pela Superintendência de Trânsito e Transporte (Transalvador).

A Rua João Gomes, que liga o Largo da Mariquita ao Largo de Santana, terá tráfego em meia pista. Serão interditadas a Rua Almerinda Dutra e um trecho da Rua Vieira Lopes. A Rua José Taboada Vidal terá fluxo invertido, estacionamento proibido e impedimento da conversão à esquerda para a Rua Canavieiras. Na área de transporte, a única alteração prevista pela Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) nesta primeira etapa é a transferência de dois pontos de ônibus na Rua João Gomes, com novos locais ainda em definição.

O itinerário dos coletivos prosseguirá sem alterações. Diariamente, passam pela região 26 linhas, com média de 84 ônibus por hora. “Sabemos que o Rio Vermelho é um importante local de ligação da orla de Salvador, por isso as alterações estão sendo feitas de modo a trazer o mínimo de impacto para a população. Na ocasião, além da sinalização, agentes de trânsito também estarão presentes para orientar os motoristas e indicar vias alternativas para que consigam chegar ao destino. Mas o ideal é que, durante o período de obras, as pessoas evitem passar pelo local, tendo como opções as avenidas Juracy Magalhães e Garibaldi”, ressalta o superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller.

Leia também: Quarta-feira(3) tem nova reunião para definição da comissão que vai acompanhar as obras do bairro

3 comentários:

  1. Por favor, o heliponto previsto não é uma boa ideia. Pensem nisso. Poluição sonora e riscos de queda são alguns dos problemas. Eu não quero helicóptero sobrevoando, decolando ou pousando sobre minha residência. O heliponto não atenderá a comunidade do rio vermelho. Portanto, se deve existir este equipamento que seja em área privada sobre as cabeças de quem usará e usufruirá. Esse heliponto atenderá quase que exclusivamente os hotéis, que construam heliponto em seus domínios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E' justo. quem vai usar, que construa.

      Excluir
  2. O que eu sei é que deve ter uma porção de empresas ganhando dinheiro com aluguel de bombas, tubulação e geradores.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.