Header Ads


Denuncie maus tratos contra crianças, disque 100

Se a prefeitura não agir os passeios de Salvador vão continuar a mesma esculhambação

Se a prefeitura não agir os passeios de Salvador vão continuar a mesma esculhambação A manchete do Jornal A Tarde desta sexta-feira(4), diz bem a dimensão da importância que os munícipes de Salvador dão às determinações da prefeitura. Apenas 8% dos proprietários de imóveis notificados reformaram as calçadas. De acordo com as informações do jornal, dos 1.564 proprietários de imóveis notificados pela prefeitura para recuperar as calçadas, incluindo a aplicação do piso tátil, nos bairros do Rio Vermelho, Pituba e Horto, apenas 123 cumpriram a determinação. Diante da constatação, resta agora a prefeitura , cumprir o que prometeu, ou seja, de acordo com o programa “Eu curto meu passeio” descumprindo a determinação, o município assume a execução e envia ao proprietário, os valores do que gastou com a requalificação, acrescido de multa de 30%. Se essa medida não for tomada, vai continuar tudo igual, porque, pelo visto, a grande maioria não está nem ai para o que diz a prefeitura e isso pode ser comprovado quando as pessoas não dão a menor bola para a proibição de estacionar os carros sobre passeio, quando descartam lixo em qualquer canto da cidade, ou ainda, quando desconhecem solenemente a tal lei da carga e descarga, porque sabem que não vai dar em nada.

7 comentários:

  1. Na verdade nossos políticos e autoridades perderam completamente a credibilidade perante a sociedade porque mentem tanto que deveriam escrever à lápis para que no dia seguinte possam apagar as promessas que escreveram no dia anterior.

    Permita-me lhes fazer uma perguntinha básica:

    - Qual o sentimento que desperta em você quando assiste aquela propaganda chata dos nossos partidos políticos?

    Quem respondeu tudo isto que aí está há quase um século atras foi o Ruy Barbosa que assim profetizou:

    “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos homens, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”

    É por isto que ninguém acredita e nem respeita mais zorra nenhuma!

    ResponderExcluir
  2. Caro Tito, os políticos não são de outro planete, eles são o reflexo de nossa sociedade de onde são escolhidos. Na verdade quem está doente não é a politica é a sociedade e a pergunta que deve ser feita é a seguinte: O que eu estou fazendo para mudar isso? Será que deixar de votar é o melhor caminho? O voto é uma expressão da democracia e muitos morreram para conquistarmos esse direito. Eu não abro mão desse direito, embora no meu entendimento o voto tem que ser facultativo.. E digo mais, por mais que a gente reclame não tem regime melhor do que a democracia. Dá trabalho é bem verdade, mas ainda não inventaram coisa melhor.

    ResponderExcluir
  3. A coisa é muito complexa . Parece que a maioria quer deixar a tudo como está , porque é assim que interessa. Muita coisa poderia ser feita pra termos candidatos confiáveis , os fichas limpas , etc. Mas a legislação atual permite que qualquer um seja candidato e somos nós que os elegemos dentro das regras atuais , tenha ou não instrução . O caminho para modificarmos a situação é o voto. Eu estou aguardando o dia chegar , porque, mesmo não sendo mais obrigado, vou votar sim. Só espero poder confiar plenamente em que a votação eletrônica mereça toda a minha confiança. . Só isso !

    ResponderExcluir
  4. Carmela, minha ilustre, até concordo com alguns termos do teu texto mas, também discordo de outros. Por exemplo, Concordo que a democracia ainda é o melhor regime. Isto é fato.
    Os nossos políticos que aí estão são oriundos da nossa sociedade. Ísto é verdade. Eles não são de outro planeta. Mas, será que devemos rotular todos os membros desta nossa sociedade como se fossem pessoas ruins, más, como se fossemos todos doentes covardes ou desonestos? Na pior das hipóteses, garanto-lhe que metade da sociedade é constituída por pessoas de boa índole, honestas e que clamam por mudanças profundas e urgentes.
    Continuar votando num sistema político falido e ditatorial acho que é burrice porque perpetua o sistema que aí está cheio de corruptos. Por isso mesmo, faço a opção do voto em branco já que, devido à ditadura eleitoral brasileira, não posso optar pelo voto facultativo (que você bem lembrou) sagrado direito democrático.
    Você questionou: "O que eu estou fazendo para mudar isto?"
    Olha! Em se tratando de Brasil, acho que a coisa por aqui está bem complicada mesmo ! O Brasil é uma espécie de Venezuela. Lá existe o grupo dos Chavistas e o grupo dos não Chavistas. No Brasil, temos o grupo dos PTistas e o grupo dos não PTistas.
    Quando os não PTistas proporem ideias novas ou uma mudança radical no sentido de alterar essa verdadeira ratoeira que aí está, os PTistas vão quebrar o pau porque a maioria ou recebem vantagens ou então as suas mentes já não lhes pertencem mais. Lavaram os seus cérebros e até as suas almas idêntico os que fazem lá nas igrejas do “Tá amarrado!”.
    Diante de tanta safadeza os brasileiros andam tão desconfiados que qualquer proposta, por mais bem intencionada que seja, logo será rejeitada alegando-se que “quando a esmola é demais o santo desconfia”.
    Apesar desta dura realidade, eu vou lhe dizer o que penso:
    Ocorre que o Jogo político brasileiro sempre foi jogado através de regras criado pelo próprio Estado quem sempre comandou o espetáculo através dos políticos ardilosos, embusteiros, que sempre defenderam, não os interesses do povo, mas sim os interesses de pessoas influentes ou grupos poderosos.
    A Sociedade Civil é obrigada a aceitar o jogar em regime de “WO”. Ou seja, fica ausente e não pode participar das decisões. Só lhe resta apreciar o parágrafo único do Artigo 1º da “nossa” Constituição que assim diz:
    “Parágrafo único. “Todo o poder emana do povo (até aqui tudo bem!), que o EXERCE POR MEIO DE REPRESENTANTES ELEITOS OU DIRETAMENTE, nos termos desta Constituição”
    Ora, o termo supracitado (em caixa alta) é uma falácia porque os políticos brasileiros estão pouco se lixando para a sociedade civil que cada vez mais está desorganizada e com os ombros pesados de impostos !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas Tito, será que então dessa fatia boa da sociedade não se elegeu nenhum politico. Sinceramente não acho que todos os políticos são salafrários, eles representam a nossa população e como tal tem gente boa e também desonesta como nas demais categorias. Tem jornalistas honestos, que trabalham em busca da verdade e também tem um monte de picaretas, se formos olhar no Judiciário é a mesma coisa, entre os médicos idem e por ai vai. os políticos estão mais expostos e tem que ser mesmo porque devem explicações ao povo que os elegeu e as Casas Legislativas são onde mais tem jornalistas cobrindo diariamente e ai as falcatruas aparecem mais,
      Outra coisa Tito, que outra forma temos de mudar a politica se não a partir do voto? Temos outra forma sim que é tomar poder na marra, com derramamento de sangue, por meio de i golpes que nos já vimos no que dá. Portanto amigo, respeito seu ponto de vista, mas prefiro continuar votando, uma dia a gente acerta, E vamos fazer as mudança fiscalizando, exigindo, participando. O que adianta votar e não acompanhar o politico que votou, Tem gente que vota e no dia seguinte nem lembra em quem votou. Então a sociedade também tem que ter compromisso. Não pode entregar o poder a A, B ou C e ficar esperando que eles resolvam tudo por livre e espontânea vontade. Vamos ficar no pé dessa galera, se tiver pressão a coisa muda.

      Excluir
  5. No dia em que esta mesma sociedade civil (excluindo-se os Empresários e Banqueiros) se organizar e criar “mais um” partido político só para mudar algumas regras do jogo que incomodam a todos nós, o Brasil será outro. Aqui, o problema maior é que os nossos políticos tem o péssimo hábito de copiar tudo que vem lá de fora. Uma ideia nova aqui é sempre rejeitada. Infelizmente!
    (“A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original” – Albert Einstein).
    Em minha opinião, o trabalhador brasileiro, quem sempre carrega o pesado piano, sempre foi tratado como lixo neste país. Tanto pelo Estado quanto pelos Empresários, seja no transporte coletivo, seja no SUS, na moradia sem planejamento (favela), salário-esmola, educação caótica, ausência de saneamento básico, difícil acesso a justiça, quando adoece ou precisa se aposentar é tratado com desdém, dentre outras mazelas.
    Até o famoso FGTS quem dita as regras do jogo é o todo poderoso Estado pagando juros mais baixo que a poupança e, se ele pede demissão então, babau! Não saca nem a pau Nicolau!
    O Estado brasileiro sempre foi o engraxate dos sapatos dos Banqueiros e Empresários gananciosos que fazem o que bem entendem. Além das licitações viciadas e outros absurdos como a compra da refinaria de Pasadena, o estado paga em média mais de 150 bilhões de juros todos os anos a esses safados e tudo isto à custa do suor do trabalhador.
    Em minha opinião, o Estado deveria intervir nesta questão da mão de obra do trabalhador brasileiro se responsabilizando pelo pagamento dos seus salários, além de outros justos direitos e, de alguma forma, “mandando a conta” para os banqueiros e empresários pagarem através da criação de uma nova regra para cobrar os impostos deles os quais incidem sobre a atual folha de salario (Por exemplo, eliminando vários impostos atuais e criando outros mais justos para ambas as partes). Alias, isto seria até ótimo para os empresários porque se livraria de tantos riscos trabalhistas, afinal de contas, contratar um empregado no Brasil pelas regras atuais é muito complicado.
    Se isto fosse posto em pratica não haveria mais desemprego no país porque se somos uma SOCIEDADE (cujo termo deriva de sócios) seria justo que o Estado transformasse todos os trabalhadores brasileiros em sócios da máfia que é o atual Estado. Seria uma espécie de funcionários Públicos concursados e funcionários Publico-privado ou não concursados e ambos com os mesmos direitos de acesso a saúde de primeira como acontece hoje com os funcionários públicos concursados. Também não acho justo que um empregado seja demitido (funcionário publico pode aprontar bastante e nunca é demitido) e levar anos e mais anos lutando na Justiça para receber os seus reais direitos.
    Como vês, tenho algumas ideias engavetadas no cérebro mas, como colocar tudo isto em prática num sistema tão amarrado e travado como é o nosso?
    Recorrendo ao adágio popular, “uma andorinha só não faz verão” !

    ResponderExcluir
  6. Reformar pra quê? Pra servir de estacionamento? Nesta terra, os proprietários de carro desalmados vão se beneficiar mais desta medida que os pedestre e o deficientes visuais. Até um cego vê isto!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.