Header Ads

Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho

Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho
Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho
Por Fred Dantas

1 – O Encontro de Filarmônicas ocorrerá dia 2 de julho de 2014, às 18 horas, no Campo Grande, nesta Capital. É promovido pela Fundação Gregório de Mattos, da Prefeitura Municipal de Salvador e está previsto há mais de duas décadas no Calendário Oficial das comemorações da Independência da Bahia. É dirigido pelo maestro Fred Dantas, com sua Oficina de Frevos e Dobrados. Dia 3 haverá o também aguardado Baile da Independência, às 19 horas no mesmo local.

2 – Por coerência com a natureza da data, sempre convidamos uma banda militar para abrir o evento. Este ano a abertura ficará com a Banda de Música da Guarda Municipal de Salvador. Em seguida se apresentam a Filarmônica Minerva de Morro do Chapéu, a filarmônica 19 de Setembro de Ibipeba, a Filarmônica Minerva Cachoeirana e a Oficina de Frevos e Dobrados

3 – Depois do desfile oficial, onde além das representações organizadas vão surgir dezenas de manifestações espontâneas, mas sempre em movimento, as pessoas gostam de se dirigir ao Campo Grande para escutar música de qualidade, em um palco fixo.

4- Para as bandas de música o Encontro de Filarmônicas representa uma oportunidade de mostrar seu repertório em situação de concerto, com sonorização e iluminação adequada.

5- Graças à parceria informal com a Fundação Cultural do Estado, através do Departamento de Música, vai ser possível que filarmônicas que participaram do Cortejo também se apresentem no palco, como parte do Encontro de Filarmônicas.

6 – A presença das Filarmônicas no local onde está o Monumento aos Heróis do 2 de Julho, ao lado do Fogo Simbólico e dos carros do casal de Caboclos é altamente representativa, pois assim como a Guerra da Independência reuniu os esforços do povo simples junto a uma tropa oficial, as filarmônicas atuam como música erudita nacional, em comunidades modestas.

7 – Muitos poetas populares e oradores de ocasião pedem para subir ao palco e usar o microfone, o que transforma os intervalos entre uma banda e outra, momentos bem interessantes.

8 – Os convites às bandas obedecem a um equilíbrio, onde deverão estar representadas entidades da capital, do Recôncavo e bandas do Sertão e Chapada Diamantina.

9 – Famílias com origem no interior do estado vêm ao encontro para prestigiar suas cidades. O Encontro atrai músicos e admiradores da arte das bandas, ou ligadas aos Caboclos por questões de fé. Devido ao temperamento desse público, tudo transcorre de forma sadia e organizada, nunca ocorrendo episódios indesejados em todos esses anos.

10 – O encontro de Filarmônicas no 2 de julho de 2014 terá uma grande surpresa: a coroação simbólica da cantora Margareth Menezes como A Rainha das Filarmônicas. Isso se deve à sua opinião favorável à importância das bandas de música nas cidades do interior da Bahia. A diva baiana deve cantar quatro músicas com a Oficina de Frevos e Dobrados, com arranjos inéditos de Fred Dantas.

Dez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de JulhoDez afirmações sobre o Encontro de Filarmônicas no 2 de Julho

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.