Header Ads

Um pouco de historia sobre a Igrejinha de Santana

Um pouco de historia sobre a Igrejinha de Santana Nesse recorte do Jornal a Tarde de 1959, um declaração histórica do Vigário da Paróquia sobre a construção da nova Igreja de Santana. Nessa reportagem ele nega interesse em demolir a igrejinha, desmentindo informação que circulava na cidade de que ele defendia a demolição. Por via das dúvidas, moradores e artistas se uniram em defesa da Igrejinha, que felizmente foi mantida.

Dados Históricos

Igreja inconcluída provavelmente da 1ª. metade do século XIX. Seu projeto segue o modelo adotado nas igrejas matrizes de irmandades a partir do início do séc. XVIII, isto é, corredores laterais superpostos por tribunas. Este projeto, porém, não foi concluído, mas os vãos entaipados das tribunas do lado esquerdo podem ser identificados em seu interior. Em seu estado atual parece ter sido construída em duas etapas. A primeira, compreendendo: nave, capela-mor e sacristia. A segunda, compreendendo um corredor lateral desproporcionado, superposto por sótão.

Esta segunda etapa parece um arranjo destinado a ganhar espaço, face à dificuldade de concluir o plano primitivo. A nave apresenta dois altares laterais embutidos sob arcos de descarga, reminiscências das antigas capelas laterais da planta jesuítica luso-brasileira tradicional. Sua fachada é formada por dois corpos. O correspondente à nave é terminado por um frontão rococó tardio. Não há vestígios de torre.

Histórico arquitetônico: Tomé de Souza doa ao Conselho e Câmara do Senado da Cidade uma sesmaria, para o povo, neste local. Surgem aí os primeiros currais e armações de pesca. Mais tarde D. Marcos Teixeira, regressando de Abrantes (Espírito Santo) e investido do cargo de Capitão-mor, organizou a resistência à invasão holandesa de 1624. Com o passar dos anos surgem dois pequenos povoados: A Paciência e a Mariquita. Durante o período que coincide com a guerra do Paraguai (1864-1870), surge entre os dois lugares um terceiro, hoje conhecido como largo de N. S. de Santana, onde se encontra a igreja e as fundações de um baluarte que não chegou a ser concluído.

Fonte: Cd-room IPAC-BA: Inventário de proteção do acervo cultural da Bahia, Bahia, Secretaria de Cultura e Turismo.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.