Header Ads


Denuncie maus tratos contra crianças, disque 100

Governo da Bahia não garante segurança de turistas no Pelourinho

Por José Queiroz*

O policiamento do Centro Histórico de Salvador foi drasticamente reduzido nos últimos oito anos, ao contrário da indigência e delinqüência que cresce a cada dia, contra baianos, turistas e o patrimônio cultural. E que escapa do controle da Polícia Militar, Polícia Civil e Guarda Municipal, com seus efetivos diminuídos, falta de recursos, e falta de apoio concreto do estado e prefeitura para a proteção do lugar. Há muita propaganda oficial de segurança e pouca informação sobre a realidade local!

Aliás, infelizmente, a informação existe, e é passada boca a boca, como seria previsível num lugar como este, e ela têm afastado o morador da cidade e tirado o interesse das operadoras de turismo que venderiam o destino e incrementariam a economia do município, assim como de muitas pessoas que viajam por conta própria e tem vontade de conhecer a primeira capital do Brasil, a cidade do Jorge Amado e de outros grandes personagens conhecidos nacional e internacionalmente, além de seu povo e suas manifestações culturais. A violência é real, a droga está lá, e o roubo é diário!

Apesar do brilhante trabalho realizado pela Polícia Militar na Lavagem do Bonfim, ao prender uma quadrilha no Pelourinho, da presença constante e corajosa dos poucos policiais que garantem alguma segurança para quem trabalha e visita o lugar, e da inovadora interação do comandante atual do 18º Batalhão, Ten Cel Valter Menezes, com a comunidade - sem esquecer-se da presença e atuação da Polícia Civil e da própria Guarda Municipal - a situação é crítica e exige esforços de uma força tarefa para proteger um dos patrimônios da humanidade, confiado ao governo do estado da Bahia!

Há vários casos de ocorrências graves e fatais conhecidos da população, mas delitos como arrancar câmeras fotográficas, celulares e bolsas, não raro com agressões e ferimentos, são corriqueiros, difíceis de prever e combater diante do quadro social atual, e leva baianos de todo lado a desaconselhar a visita ao lugar. É triste admitir, mas o Pelourinho teve seu casario, suas instituições, seu acervo cultural e artístico, e sua segurança e tranqüilidade, seriamente comprometidos pela incompetência total dos últimos gestores da Cultura e do Turismo baiano, além das inúmeras instituições federais, estaduais e municipais com alguma responsabilidade sobre o lugar.

Por falta de efetivo e recursos, como as câmeras de segurança que estão quebradas e a falta do reforço da Operação Verão deste ano, corajosamente, o Cel Menezes pede aos profissionais de turismo e comerciantes que os turistas sejam alertados sobre o risco de abrir carteira, portar jóias, ou manusear celulares e câmeras no centro histórico de Salvador. É compreensível, mas é inadmissível que a segurança tenha chegado a esta situação! E a culpa não é da Polícia Militar ou Civil, ou da Guarda Municipal, e sim dos responsáveis por elas que gastam rios de dinheiro em campanhas eleitorais, negociatas e corrupção, excesso de cargos e altos salários, publicidade enganosa e festas, e negligenciam as obrigações com a sociedade. Não garantem nem a segurança dos contribuintes!

Há anos que partidos como o PT, PSB e PC do B exploram a ruína e a miséria do lugar! Há dezenas de ong’s montadas ou cooptadas para isto, e que sobrevivem graças à cooptação de instituições de defesa da sociedade. Há prédios condenados pela Justiça que já deveriam ter sido esvaziados e desocupados, e, se não recuperados, demolidos. Estão invadidos por indigentes e delinqüentes e o IPHAN sabe disto, os ministérios da Cultura, Cidades e Turismo também, as procuradorias de governo, tribunais, etc. E todos autorizam colocar mais dinheiro ali, ou ficam calados! Estão destruindo o lugar!

*José Queiroz é guia de turismo especializado em Turismo Receptivo
https://turismoreceptivo.wordpress.com/

4 comentários:

  1. Chegamos à esse ponto ? A bandidagem superou a segurança e o estado perdeu o comando da área ! V E R G O N H A ! Quando a notícia se alatrar, quero que me falem de turismo. Este mês, segundo previsões divulgadas, são esperados 15 " paquetes " com cerca de 4.000 turistas cada um em Salvador. Isto quer dizer, nada mais nada menos que 60.000 visitantes e o governo não tem condições de garantir a segurança dessas pessoas e continuam falando em turismo ? Imaginem o que esse pessoal vai contar lá fora. Vergonha, e, ao mesmo tempo , o fracasso de um governo , que, dito de passagem, não garante a segurança nem aos seus próprios cidadões. Lamentável ! É essa a Salvador em que vivemos ! Salve-se quem puder !

    ResponderExcluir
  2. O Pelourinho é um dos lugares que mais tem policial por metro quadrado em Salvador. Enquanto ficar se pensando em resolver a segurança aumentando o número de policias, esse problema nunca será solucionado. A questão é mais embaixo, tem que se pensar como resolver a questão desse jovens e adolescente que estão sendo aliciados pelo tráfico. Que perspectiva os governos( municipal, federal e estadual) estão oferecendo a esses jovens? Que tipo de escola estão oferecendo? O que está se fazendo para fiscalizar as nossas fronteiras por onde as drogas e as armas estão entrando sem controle? Outra coisa é ficar se culpando os partidos o tempo todo, precisamos acabar com isso. O que a sociedade civil organizada está fazendo? Cadê os movimentos de rua para pressionar soluções?

    ResponderExcluir
  3. Realmente a questão não é só aumentar o número de policiais. Primeiramente o governo deveria, fazer um programa intenso de planejamento familiar. As pessoas mais miseráveis são aquelas que mais se reproduzem, deixando mais miseráveis no mundo. A segunda coisa é deixar a polícia agir contra a criminalidade de forma ostensiva, repressiva e com muita energia. Não adianta aumentar o número de policiais se a polícia não agir com rigor.

    ResponderExcluir
  4. Concordo que não vai ser aumentado o número de policias que vai diminuir os indicies de violência e Rita falou uma coisa muito pertinente que o controle das fronteiras. Como é que está entrando tanta droga, armas e munições nesse país? Outra coisa, porque a prefeitura não reativa o programa Cidade Mãe que muito contribuiu para tirar crianças e jovens das ruas, dando-lhes oportunidades de acesso a vários cursos, cultura, arte etc? Ou então criar alguma coisa parecida, o que não pode é a cidade permanecer assim, sem nenhum tipo de atenção e opção para esses adolescentes que acabam sendo presas fáceis para os traficantes. É isso minha gente, melhoria na segurança vai muito além de que mais policias nas ruas.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.