Header Ads


Denuncie maus tratos contra crianças, disque 100

A Pedra da Sereia sem a escultura

4 comentários:

  1. Essa é a foto que eu estava e ainda estou querendo clicar , por uma questão de afetividade. Quando cliquei aquelas de Ondina olhando o Rio Vermelho, ou melhor , da Pedra da Sereia em direção ao Rio Vermelho , me prometi conseguir fazê-la olhando ao contrário, exatamente como está essa aí, mas ainda vou realizar o meu desejo , não efetivado até agora por dificuldade de locomoção ou pela não disponibilidade de um equipamento melhor. Entre o morro e o ponto onde estava a estátua de Yemanjá , hoje , há um espaço vazio que permite ver o outro lado , mas nem sempre foi assim.O vazio foi se formando com a exploração de uma pedreira que ligava o morro ao ponto onde estava a imagem de Yemanjá. Ou seja, : de um lado, você não via o outro. Hoje não. Está aberto o espaço.Se prestarem atenção, verão que, em Salvador, muita coisa foi construída com pedra bruta. Pensem na Ladeira da Montanha , na da Preguiça e no próprio paredão da praia da Paciência , que já vem vindo da Barra... Uma curiosidade é que na base do morro, bem na base , do outro lado, é claro, tendo o morro como telhado, existem até residências... e o lugar é bem cuidado e seguro. Ah, sim, por informações obtidas de moradores do local, a imagem de Yemanjá foi retirada para que não fosse roubada, só que ninguém sabe ou sabia informar , com quem ela está. Provavelmente, o próprio autor deve ter feito isto. Imagino. Ficou apenas a pequena coluna que sustentava a imagem sobre a pedra da orla. É uma bela foto, que conta uma história. A pedreira parou de ser explorada quando a exploração do minério foi proibida em toda a cidade mas já havia chegado à base do Morro. Boa parte da minha infância passei naquele local, pescando, pois morava exatamente na rua hoje conhecida como Pedra da Sereia... Havia uma gruta, naturalmente , conhecida como Gruta da Sereia, evidentemente, destruída pelas bananas de dinamite que explodiam a pedreira... quantas vezes descansei naquelas pedras lisas e frescas que, até hoje, tenho na memória. É como eu digo. Quem viu viu, quem não viu não viu. Eu vi e curti !

    ResponderExcluir
  2. Muito linda a sua história Sr Sarnelli. Adoraria saber mais histórias e ver mais fotos da Pedra da Sereia, também por questôes afetivas
    um grande abraço, a sua disposição

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.