Header Ads


Denuncie maus tratos contra crianças, disque 100

O Circuito das Artes completa 10 anos

O Circuito das Artes completa 10 anos e celebra com uma mostra que reúne obras de artistas que participaram das oito edições do evento. Ao longo deste período, a exposição mudou de formato, conceito, apuração estética e ganhou apreciação do público, artistas e instituições por onde passou. Em 2016 o Circuito das Artes na Bahia faz uma retrospectiva em três espaços - Galeria Cañizares, Galeria ACBEU e Museu de Arte da Bahia que ficará em cartaz até 20.01.2017. A mostra é composta por uma seleção de obras feita pela curadora Alejandra Muñoz, dentre os mais de 600 artistas que participaram das edições anteriores.

Esta edição do Circuito das Artes é comemorativa dos dez anos de trajetória do evento e, como tal, apresenta uma característica diferente das convocatórias anteriores nas quais os artistas eram convidados a apresentar sua produção mais recente dentro dos pequenos formatos. Por isso, e considerando a atual conjuntura de desestruturação do frágil sistema de artes visuais na Bahia, a curadora da Mostra, Alejandra Muñoz decidiu estruturar esta edição do Circuito como um espaço de discussão acerca do que aconteceu nestes dez anos, numa perspectiva que vai além das pesquisas pessoais, levantando a grande questão: como o Circuito impulsionou e deu visibilidade a diversos processos e como cada artista tem contribuído para a afirmação do cenário local? Para isso a proposta curatorial, diz ela, “é a de focalizar menos nas novidades da produção e mais nas diversas questões sobre nosso sistema de arte, através de alguns artistas que participaram ao longo destes dez anos, mediante uma faceta ou um trabalho menos conhecido desses artistas”.

Nesse contexto, as exposições do Circuito, além de comemorar o evento, buscam articular questões relacionadas à discussão do Seminário através de três eixos: na Galeria Cañizares o eixo CAMADAS que aglutina as dimensões ensino, memória e sistema, na Galeria ACBEU, através do eixo TRÂNSITOS, as interlocuções do cenário artístico local com níveis regionais, nacionais e internacionais e no MAB o eixo TENSÕES que focaliza questões contemporâneas da produção recente, tais como ativismo, erotismo, assuntos de gênero e aspectos técnicos das linguagens mais tradicionais.

Alejandra Hernández Muñoz - Uruguaia, residente em Salvador desde 1992, é arquiteta, Mestre em Desenho Urbano e Doutora em Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (FAU/UFBA). É professora permanente de História da Arte da Escola de Belas Artes (EBA/UFBA). Desenvolve trabalhos de crítica das Artes e Arquitetura e participa de júris e comitês de seleção artística. Coordena a Galeria Cañizares da EBA/UFBA desde fevereiro de 2016. Foi curadora de diversas mostras tais como as edições do Circuito das Artes 2012, 2013, 2014 e 2015 (Salvador) e Triangulações 2013, 2014 e 2015 (Salvador, Recife, Brasília, Maceió, Belém, Goiânia e Fortaleza). Integrou as equipes curatoriais do Programa Rumos Artes Visuais 2011-2013 do Instituto Itaú Cultural (São Paulo) e da 3ª Bienal da Bahia 2014.

Eneida Sanches - Iniciou estudos em artes na Escola de Arte da Bahia, aos 6 anos de idade. Cursou arquitetura, de 1980 a 1990 e simultaneamente cursou Belas Artes na Universidade Federal da Bahia. A partir de 1990 passa a pesquisar a estética africana e afro-brasileira. Inicia estudos de gravura em metal nas oficinas do Museu de Arte Moderna da Bahia de 1995 a 2000, expondo em 1992 a 2000 em Museus e Galerias de NY com ferramentas de uso litúrgico do candomblé Yorubá. Apresentou obras relacionadas ao tema do Transe que conduziram a experimentações em torno da gravura, transformando-as em objetos e instalações. Em 2007 recebeu o prêmio do XXIV Salão de Artes MAM Bahia e participou de residência na Holanda. A partir de 2011 reúne gravura e vídeo instalação através da série Transe – Deslocamento de Dimensões em colaboração com o fotógrafo e vídeo maker Tracy Collins (NY). Em 2013 tem seu trabalho publicado na revista nigeriana de Arte Contemporânea N/Paradoxa (Bisi Silva) com texto de Solange Farkas e expõe instalação Transe (video instalação) no Festival Internacional vídeo Brasil 2013 – SP. Foi indicada ao Premio Pipa 2014, mesmo ano em que foi selecionada para residência em arte no NAFASI Art Space em Dar Es Salaam, Tanzânia. Criadora e coordenadora geral da Mostra Circuito das Artes que reúne artistas da Bahia e Triangulações que articula artistas da Bahia, Brasília, Pernambuco, Pará, Alagoas, Goiás e Ceará.

O Circuito das Artes completa 10 anos

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.