Blog do Rio Vermelho, a voz do bairro

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Pedido a Iemanjá ( artigo)

Por Cristiano Teixeira 
Dolores saiu de casa mais cedo naquela bela manhã ensolarada. Vestia-se de branco da cabeça aos
pés e ainda nem era dia de Oxalá. Antes de seguir rumo ao trabalho, no entanto, ela foi cumprir uma pequena obrigação. No caminho, cruzou com centenas pessoas pelas as ruas do Rio Vermelho que seguiam na mesma direção, alegres, carregavam à mão ramalhetes de flores perfumadas. Dolores lembrou que precisava fazer o mesmo, parou num vendedor ambulante, havia centenas deles espalhados pelas vias, e comprou um ramo de rosas brancas. Era 2 de fevereiro, dia de Iemanjá.


Ao chegar ao seu destino, ela encontrou uma longa fila que se estendia desde o abrigo que foi erguido ao lado da igreja de Santana para receber as oferendas à Iemanjá. A fila se prolongava ao longo da balaustrada sem que ninguém demonstrasse pressa ou aborrecimento por estar sob o sol forte, afinal era dia de festa no mar. Para minorar os rigores calor, Iemanjá mandou soprar uma suave brisa sobre os seus admiradores. Dolores correu para pegar o final da fila temendo que esta duplicasse de tamanho em poucos instantes.


O seu pedido a Iemanjá era o mesmo do ano passado. Ela pedia para ser agraciada com um homem, um espécimen masculino só para ela. Queria que o moço lhe aplacasse a solidão, a carência afetiva, a falta de um abraço forte e de um beijo duradouro, e balançasse as suas noites com o seu ronco estridente ao seu lado. Ela considerava o seu pedido singelo e ansiava para que daquela vez fosse atendido.


A pessoa que estava logo à sua frente na fila era um homem gordinho como ela. Ele virou-se para cumprimentá-la e o fez efusivamente. Ele demonstrou reconhece-la, apesar de ela não se lembrar dele.


— Cá estamos nós novamente, na mesma fila e no mesmo lugar, já é om terceiro ano que nos encontramos! – ele disse com um largo sorriso.


— Sim, todos os anos eu venho prestar a minha homenagem. – ela disse por dizer.


— Eu sempre faço um pedido. – ele segredou.


— Eu também. – disse com um sorriso forçado.


— Este ano eu trouxe um perfume para variar. Vamos ver se ela vai me atender.


Dolores arrependeu-se de não ter feito o mesmo. Ela sempre ofereceu flores, talvez Iemanjá desejasse algo diferente dela. Subitamente e sem motivo algum, ela passou a sentir raiva daquele rapaz de ar ingênuo. A ideia de que alguém fora mais criativo que ela a desagradou. No entanto, o pobre rapaz se desdobrava para ser simpático, afinal ele pedia à Iemanjá uma namorada e aquela poderia ser a sua chance.


Quando chegou a vez dele deixar o seu presente no balaio de oferendas, ele o fez fazendo uma pequena prece para que Iemanjá trouxesse felicidade ao seu coração solitário e ao invés de ir embora logo em seguida, ele ainda esperou por Dolores, queria lhe falar. Ele precisou juntar coragem para fazer o que estava prestes a fazer.


— Eu gostaria de manter contato, poderia me dar o seu nome para que eu a adicionasse à minha lista de amigos no Facebook?


— Desculpa, mas eu só adiciono amigos muito próximos. – ela respondeu secamente.


Ele ficou desapontado e se foi embora.


Por mais que Iemanjá tentasse atender ao pedido de Dolores, ela cegamente o recusava. Talvez ela imaginasse algum tipo de milagre ou que o seu homem viesse trazido pela maré e jogado na praia.

Mais artigos de Cristiano Teixeira vc encontra no Blog Cartas do Meu Moinho

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Shows de striptease é a novidade no bairro

Agora não falta mais nada mesmo no Rio Vermelho, temos também “Shows de Striptease”. A propaganda fartamente divulgado no bairro por meio de panfletos, alguns colocados até por baixo das portas dos moradores, é a atração do novo empreendimento , recém-inaugurado onde funcionava o bar “Padaria” localizado na João Gomes. Pela foto que ilustra os panfletos,( que obviamente não vamos divulgar) os shows devem ser no estilo temperatura máxima. 

Novo aplicativo pretende facilitar a vida de quem faz a travessia na Ilha de Itaparica. Tomara !

Novo aplicativo pretende facilitar a vida de quem faz a travessia na Ilha de Itaparica. Tomara ! Com o objetivo de tornar mais acessíveis as informações sobre os serviços marítimos da Ilha de Itaparica e facilitar o dia a dia de moradores e visitantes, foi criado o aplicativo D’Maré. Idealizado pelo professor da Universidade do Estado da Bahia e diretor do Campus XV da Universidade em Valença, Paulo José Gonçalves de Souza, mais conhecido como professor Paulo, o aplicativo é destinado também aos moradores de Salvador e Região Metropolitana, Recôncavo, Baixo Sul, Sul e Extremo Sul da Bahia, além de turistas e veranistas.

Ao acessar o aplicativo, as pessoas irão encontrar informações sobre roteiros, horários e tarifas dos transportes que envolvem essas regiões. Morador da Ilha, Paulo explica que com o D’Maré, todos poderão planejar tranquilamente suas viagens. “Com o simples acesso ao aplicativo, a pessoa terá como organizar a viagem, sabendo, por exemplo se a lancha já está saindo ou não. O D’Maré dá uma melhor condição de acesso aos serviços marítimos da Ilha de Itaparica”, ressalta.

Recém lançado, o aplicativo D’Maré está acessível apenas na plataforma Android, mas em breve poderá ser acessado em todas as plataformas. (Fonte: Ascom)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Estrutura do Carnaval: Prefeitura quer tudo desmontado em 10 dias

Estrutura do Carnaval: Prefeitura quer tudo desmontado em 10 dias Todas as estruturas montadas para atender às necessidades do período carnavalesco, como camarotes, praticáveis, arquibancadas e palcos devem ser desmontados a partir desta quinta-feira (11). Todos os camarotes foram notificados pela Secretaria Municipal de Urbanismo (Sucom), atendendo a regulamentação do Decreto Municipal 20.505/2009. O prazo para finalização do processo é de dez dias.

“Os proprietários dos camarotes têm até dez dias úteis para fazer a desmontagem das estruturas que foram instaladas para o Carnaval. Caso este prazo seja descumprido, a Sucom emitirá uma multa para o espaço, que neste caso é diária.”, orientou Murilo Aguiar, diretor de Fiscalização da Sucom.

De acordo com a assessoria o processo já foi iniciado desde a Quarta-feira de Cinzas. Equipes da Sucom estão realizando fiscalizações diárias para acompanhar a desmontagem dos equipamentos. Quem não cumprir a determinação pagará multa correspondente a R$2.242,87 por dia de atraso. Em casos de danificação do patrimônio público, os responsáveis pelas estruturas devem se responsabilizar pela reparação imediata. Do contrário a Prefeitura realiza o reparo e cobra posteriormente pelo serviço, acrescendo 30% do valor gasto.

A sujeira que ficou no fundo do mar depois do Carnaval

A sujeira que ficou no fundo do mar depois do Carnaval Mais uma edição da Operação Fundo Limpo foi realizada na manhã desta quinta-feira (11) abrangendo toda a área que vai do Porto ao Farol da Barra, além da praia do Yacht Club da Bahia. Todo resíduo recolhido vai passar por uma triagem minuciosa para a separação dos tipos de material e, posteriormente, será entregue a cooperativas de reciclagem indicadas pela Secretaria de Cidade Sustentável (Secis). Os números da ação serão fechados no decorrer da semana.

Coordenado pela Escola de Mergulho Galeão Sacramento desde 1994, sempre no período pós-Carnaval, o projeto tem apoio da Prefeitura e, no ano passado, retirou cerca de uma tonelada de lixo composto principalmente por latinhas de cerveja, garrafas plásticas e de vidro, além de outros objetos, como cascas de coco, metais diversos e até roupas e calçados.

TV Red River próximo documentário: "Paciência Viva"

TV Red River próximo documentário: "Paciência Viva"Fique ligado no próximo documentário da TV Red River. Você vai se surpreender com  o belo trabalho realizado pelo ONG Paciência Viva e a sua atuação no bairro.

Combate ao mosquito da zika no próximo sábado em Salvador terá reforço do Exército, Marinha e Força Aérea

Combate ao mosquito da zika no próximo sábado em Salvador  terá  reforço do  Exército, Marinha e Força Aérea Dando continuidade às ações de enfrentamento do mosquito transmissor da zika, dengue e febre chikungunya em Salvador, a Prefeitura, em parceria com as Forças Armadas, realiza neste sábado (13) o "Dia D contra o Aedes aegypti". Entre 8h e 13h, cerca de três mil profissionais entre militares e agentes municipais de saúde farão uma grande ação educativa com distribuição de folhetos e orientação à população sobre como evitar a proliferação do inseto, simultaneamente, em mais de 60 localidades da capital.

Já entre os dias 15 a 18 de fevereiro, cerca de dois mil militares do Exército, Marinha e Força Aérea percorrerão conjuntamente com os agentes de combate às endemias da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) todos os bairros da capital no intuito de identificar e eliminar os criadouros do vetor.

"Será uma grande ação de intensificação do controle do mosquito. Os militares, sempre sob a supervisão dos agentes de endemias, farão a visita casa a casa, entrarão em imóveis fechados e atuarão em terrenos baldios para eliminação dos possíveis focos. Iremos realizar uma grande varredura em toda cidade com o objetivo de diminuir significativamente o índice de infestação do inseto", esclareceu José Antonio Rodrigues Alves, titular da SMS.

Para viabilizar a ação, os profissionais do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) prestaram todo o suporte teórico e prático para que os militares possam realizar o trabalho de controle do mosquito, bem como prestar orientações para população sobre a prevenção de novos focos. As capacitações foram iniciadas antes do Carnaval.( Agecom)

Todo dia eles fazem tudo igual

Todos os dias o Largo da Mariquita amanhece desse jeito, todo sujo e fica assim até os garis da limpeza pública apareçam para fazer a varrição. Está certo isso? Não deveriam ser os comerciantes a deixarem limpos os espaços públicos que usam para suas atividades? No Largo de Santana a situação não é diferente, até hoje os garçons que servem nas mesas espalhadas pela praça, continuam jogando as tampinhas de garrafa de bebidas pelo chão que também é o mesmo destino dos papeis e pratos plásticos onde são servidos os acarajés e abares.

Todo dia eles fazem tudo igual

Cadê a árvore que estava aqui?

Cadê a árvore que estava aqui?

Não tem nem um mês que as mudas de árvores foram plantadas em toda extensão da Rua João Gomes e já começam a desaparecer. Ou a prefeitura cuida ou dentro de pouco tempo não ficara nenhuma para contar a história. Muita gente reclama da falta de árvores, mas poucos se dispõe a cuidar delas, nem mesmo para jogar um pouco de água nas que estão plantadas próximas às suas portas.

Cacau do Pandeiro comemora hoje 87 anos com muita vitalidade

Cacau do Pandeiro comemora hoje  87 anos com muita vitalidadeHoje é o aniversário de Cacau do Pandeiro, esse verdadeiro ícone na MPB. e para homenagear Carlos Lázaro da Cruz, o mestre Cacau do Pandeiro, reapresentamos o documentário "Lero-Lero do Rio Vermelho" produzido esse ano pela Red River TV, onde ele conta um pouco da sua história e do bloco que participa desde 1940. Viva Cacau do Pandeiro, viva a música popular brasileira!